Yoga para combater o estresse e aumentar o bem-estar – Thais Galliac

Com relação à divulgação da prática como uma maneira de combater o estresse e aumentar o bem-estar e a qualidade de vida, não vejo grandes problemas se, durante as aulas e nos diálogos entre professor e alunos, for passado de forma clara e íntegra o real propósito do Yoga e a atitude com a qual deve-se praticá-lo.

Além disso, parece-me fundamental olhar para a maneira como o ensinamento é passado, já que cada praticante é único e possui diferentes formas de apreender o conhecimento e de levá-lo adiante. Independentemente da maturidade com a qual cada indivíduo lidará com a prática, o facilitador do Yoga precisa ter uma intuição e uma sensibilidade que o permitam revelar a riqueza da tradição de um jeito simples e generoso a todos que desejarem conhecê-la, sem, com isso, distorcer sua mensagem.

A intenção é mostrar que, ao contrário do que muitos pensam, o Yoga é acessível a qualquer um, ao desmistificar a ideia de que seu objetivo esteja muito distante ou totalmente inatingível. A prática existe para colocarmo-nos em um lugar de reflexão sobre quem somos e sobre os nossos papéis no mundo, e para entendermos que já somos a felicidade que tanto buscamos.

Acontece que, em muitos lugares, encontram-se intenções muito distorcidas sobre o assunto e, consequentemente, uma falta de embasamento e de responsabilidade. Novamente chega-se em uma mesma questão: para chamar a atenção das pessoas para o Yoga, é dito o que elas querem ou precisam ouvir, para que um interesse sobre o tema seja despertado nelas.

Até esse ponto, é compreensível o movimento nessa direção. Mas quando esse movimento cessa antes de chegar em uma explicação mais coerente e adequada sobre o que se pratica, ignora-se valores que são elementares ao Yoga e, assim, ele acaba por tornar-se uma outra coisa. Olhando dessa forma, mais uma vez, lamento quando o Yoga se resume a uma prática de fuga e bitalação, quando esta é engessada nos moldes e clichês deste século, ou quando se discrimina quem deve ou não praticá-lo.

Thais Galliac

Instrutora do Yoga

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *