Viver o Dharma – Por que é tão difícil viver do jeito fácil?

Parte da população humana chama a vida que leva hoje de “sofrida”. Essa sensação vem do fato de que desde muitos anos atrás, o sistema de governo (controle) da humanidade vem nos ensinando que a vida deve ser fácil. A vida fácil é uma ilusão criada por quem quer manter as pessoas distantes da essência da vida, da sua própria essência. Nessa condição, nos sentimos perdidos, sem rumo, aceitando qualquer caminho que venham a nos oferecer. Batalhar pelo conforto é sim parte da vida, porém o ser humano veio para viver muito longe do conforto. É o desconforto que nos faz agir, fazer algo para que a condição atual se torne melhor, progredindo assim. Tudo que desejamos só vem com muitas doses de esforço, com verdadeiro sacrifício às vezes. E não importa o aspecto da vida que venhamos a analisar. Íntima pessoal, profissional, social… em todos eles são as dificuldades, os enfrentamentos, nossos maiores aliados na evolução, no melhoramento íntimo. 

Esperando uma vida fácil não nos preparamos para a vida de verdade e quando encontramos os intermináveis obstáculos do caminho vamos cansando, estressando, adoecendo bem lentamente até que chega uma hora em que não aguentamos mais. Achamos que férias irão resolver, nos decidimos a fazer mudanças radicais em nossas vidas… após as férias e as mudanças, que nunca são tão radicais como desejávamos, voltamos a mesma rotina de viver em banho maria, sem nenhum calor, sem nenhum risco, sem nenhuma alegria. Tão seguros de que não passaremos fome quanto de que nunca seremos realmente felizes vivendo desse jeito.

Para ilustrar, analise cada momento de sua vida atual, tente reviver esses momentos, se não conseguir lembrar, imagine como deve ter sido… pense no momento do seu nascimento. A barriga da sua mãe se contraindo de tempos em tempos, você ali dentro sem espaço e sendo espremido. Vem a vontade de sair dali e começa um esforço hercúleo para passar por uma passagem que nem ousaríamos tentar atravessar se já nascêssemos tão “lógicos” quanto somos quando adultos. Depois lembre da dificuldade para andar, falar, comer, urinar onde te disseram que deve… Indo mais à frente no tempo, lembre das dificuldades da adolescência e juventude, os corações partidos… Criar filhos, se alimentar bem, alimentar a família. Decadência do corpo físico, solidão… Aonde em toda uma vida encontramos conforto?! Não há conforto na vida de verdade.

O Milagre

Percebendo que a vida é composta por pequenas batalhas diárias, nos preparamos para elas, assim, além de não nos sentirmos mais incomodados com elas, começamos a vencer algumas. Com essas pequenas vitórias, vamos nos fortalecendo e vencendo cada vez mais batalhas. Chegará um ponto em que seremos capazes de perceber que nossa força na verdade é infinita, que somos capazes de vencer todas as batalhas. Com essa certeza deixamos de aceitar qualquer migalha que nos oferecem. Não queremos mais a vida genérica, sintética criada por terceiros. Da vontade de experimentar a vida de verdade, surge a coragem de fazer o que amamos. Aí está o agente milagroso, o Amor.

Quando nos dedicamos a fazer o que amamos, o tão mal falado conforto surge como uma benção. Os momentos de contato com a madeira para o marceneiro de coração, com o alimento para o chef de alma são verdadeiros momentos de conexão com sua essência, com sua natureza mais íntima, com seu Dharma, com Deus. Viver a nossa essência, o que viemos para viver é a única fonte de felicidade, de conforto.

O abutre, para ganhar os céus, se lança do alto do penhasco

Encontrar o caminho não é caminhar por ele. Para que possamos realmente avançar é imprescindível usar a maior ferramenta que temos, o esforço. Precisamos buscar nos conhecer cada vez mais e melhor, e assim descobrir o que amamos. Uma maneira fácil de praticar essa busca é responder a pergunta: “O que eu faria de graça por toda essa vida?”. Só faríamos por toda vida, sem receber nada em troca, mesmo que não seja dinheiro, algo que amamos fazer.

Primeira etapa concluída. Encontramos o que amamos fazer, o que é parte de nossa natureza momentânea. Agora chegou a hora da virada. O último grande esforço. O que transforma seres medíocres em exemplos, que tira da depressão conduzindo a luz, coragem para voar! Somente após a decisão e a iniciativa de fazer o que amamos é que viveremos de maneira confortável e fácil. Falo em fazer de verdade, definir dias e horários para aquelas atividades. Pode parecer estranho mas é tornar o prazer uma obrigação. Quanto mais tempo você dedicar a esse tipo de atividade, mais rápida será a evolução, mais profundo o mergulho.


A força evolutiva arrasta todos os seres ao melhoramento. O mínimo de esforço que fazemos é incrivelmente potencializado naturalmente. Cientes disso, que possamos perceber que não há esforço pequeno demais ao ponto de não valer. Com um pequeno esforço individual de melhorar a própria condição de vida em busca da felicidade, atuamos positivamente na coletividade. É um direito e uma obrigação de todo ser. Se não temos ainda a coragem para nos jogar do alto do penhasco, que tenhamos ao menos para dar um passo na direção dele.

Krsna
Yogue Tântrico

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *